Recibos verdes: O que muda no regime simplificado em 2018
29 de Novembro de 2017

Há novas regras que os profissionais liberais e prestadores de serviços têm de estar atentos para não terem de pagar mais impostos.

A partir de Janeiro de 2018 os profissionais que passam recibo verde em regime simplificado, como jornalistas, advogados, artistas e arquitectos, têm de tomar atenção ao valor de rendimento que declaram e que, a partir de um limite, terá de ser justificado.

Até agora, o fisco deduzia automaticamente que 25% do total dos rendimentos eram despesa e o imposto só incidia sobre o restante. O novo regime simplificado reduziu este valor para 10% e os outros 15% têm de ser justificados através de despesas.

Os profissionais liberais passam a ter uma dedução específica de 4.104 euros que abate aos rendimentos de trabalho, mas podem ter de justificar algumas das despesas.

Despesas deduzíveis

Nos 15% de rendimento que podem ser justificados como despesa incluem-se gastos em transportes, combustíveis, telecomunicações, energia e encargos com imóveis, segundo o Dinheiro Vivo.

Quem trabalhe em casa e afecte o imóvel à sua actividade poderá ter dissabores no futuro. É que essa opção poderá levar o fisco a apurar uma mais-valia no imóvel, tributado a 95%, quando o imóvel for vendido.

Mais: deixa de ser possível reinvestir as mais-valias com habitação própria e permanente.

E os trabalhadores que detenham capital social nas sociedades, caso de imobiliárias ou clínicas, para as quais trabalham - 5% ou 25% se for cônjuge, pai ou filho - ficam impedidos de deduzir qualquer importância como despesa.

Texto elaborado por Sábado.pt a 28 de Novembro de 2017

Para mais informações contacte-nos aqui.